Compartilhar Inscreva-se

Você utiliza as Demonstrações Contábeis e Financeiras na gestão do seu negócio?

Você utiliza as Demonstrações Contábeis e Financeiras na gestão do seu negócio?

Com a dinâmica dos mercados cada vez mais agitada e o crescimento constante das organizações, em tamanho ou na diversidade das atividades econômicas, há uma necessidade cada vez maior de acompanhar os números que representam a realidade e evolução das operações empresariais.

Nesse cenário, o profissional contábil tem a importante missão de demonstrar, através dos números, como se encontra a situação econômica e patrimonial do negócio em determinada data.

Olhar apenas para os números finais não é suficiente, é preciso entender onde estão seus maiores recursos e para onde deve direciona-los, por isso, lhe explicaremos:

O que são as demonstrações contábeis e financeiras que podem ser geradas pelo seu escritório de contabilidade? E ainda, traremos alguns exemplos de como essas informações podem ajudá-lo na tomada de decisões.

O que são Demonstrações Contábeis e Financeiras?

Dentro da contabilidade existem diversas questões que podem gerar dúvidas para quem não é da área, entre elas há as demonstrações contábeis e financeiras.

Acompanhe o texto abaixo e entenda o que elas são, veja também algumas diferenças entre elas e o que pode ser utilizado para lhe auxiliar na gestão da sua empresa.

  • Demonstrações Contábeis

Estão diretamente relacionadas aos documentos oficiais estabelecidos pela legislação, determinados pela Normas Brasileiras de Contabilidade e pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis.

Elas devem ser entregues as autoridades a fim de comprovar a regularidade da empresa.

Ter o registro dessas informações, além de cumprir com a lei, pode lhe ajudar em diversas situações, como ao solicitar empréstimos e financiamentos, negociação com credores, além de ser crucial para acompanhar a evolução do negócio.

  • Demonstrações Financeiras

Estão ligadas a demonstrativos que retratam a situação econômica da empresa e é utilizada como controle interno.

Para gerá-las são utilizadas diversas informações das próprias demonstrações contábeis, porém, não tem valor legal.

Apesar de não haver grande diferença entre elas, conhecer esses documentos auxiliam nas rotinas e tomadas de decisão, sejam para grandes ou pequenos passos, impactando assim diretamente na continuidade da organização.

Agora que você já sabe o que é demonstração contábil e financeira, vamos te explicar com mais detalhes algumas delas.

Principais Demonstrações e Informações que devem ser observadas

Dentre todas as informações geradas pela contabilidade, saber analisar as demonstrações financeiras e extrair delas as informações necessárias para apoiar a tomada de decisão é um grande diferencial no ambiente empresarial.

Abaixo destacamos as principais demonstrações e o que cada uma delas relata sobre a saúde do negócio:

  • Balanço Patrimonial

É o demonstrativo mais conhecido e importante no meio empresarial.

Demonstra a situação geral da empresa, sendo dividido em ativo, passivo e patrimônio líquido.

O ativo demonstra a totalidade dos direitos que a empresa tem como os bens do ativo imobilizado, contas a receber, valores em caixa e bancos, e outros créditos da organização.

O passivo irá demonstrar basicamente a totalidade das dívidas da organização, como é o caso das contas a pagar, salários a pagar, adiantamentos e outros débitos.

Tanto o ativo e quanto o passivo são subdivididos em circulante, que representa os valores que circularão pela empresa nos próximos doze meses, e não circulante que, em regra, é alimentado com os valores que só serão alterados passados os próximos doze meses.

Além do ativo e passivo ainda há o Patrimônio Líquido que representa a riqueza de uma entidade.

O Patrimônio Líquido é formado pelas contas de Capital Social, Reservas de Lucros, Reservas de Capital, Ajustes de Avaliação Patrimonial entre outras.

Com as informações que constam no Balanço Patrimonial podemos avaliar o comportamento financeiro da empresa, compreender para onde estão sendo direcionados os recursos.

Ele também pode auxiliar em relação ao planejamento tributário, e assim buscar meios de reduzir a carga tributária.

  • Demonstração do Resultado (DRE)

Como o próprio nome já indica, ela tem como objetivo principal demonstrar o lucro ou prejuízo operacional líquido de determinado período.

É uma demonstração obrigatória por Lei para todas as empresas, exceto as que se enquadram como MEI. Deve ser demonstrada anualmente e compreende o período de janeiro a dezembro. Ela confronta as receitas e as despesas do negócio mostrando o resultado líquido.

A DRE pode ser estruturada da seguinte forma: primeiramente demonstramos a receita bruta de venda e serviços prestados, posteriormente suas deduções (custos de produção, pagamentos de fornecedores, empréstimos ou financiamentos, impostos), chegando na famosa “última linha”, que demonstra o lucro ou prejuízo do período.

Para fins de gestão, a DRE é uma ferramenta essencial pois permite identificar quando há necessidade de cortar gastos específicos e até mesmo investir parte dos lucros adquirindo novos equipamentos, inserindo um novo produto e até mesmo ampliando filiais.

  • Fluxo de Caixa

É uma ferramenta de controle, previsão e planejamento financeiro. Trata-se do registro financeiro de uma empresa.

Através dela podemos avaliar onde estão sendo alocados os recursos e os maiores gastos, possibilitando muitas vezes criar estratégias para reduzir custos e, consequentemente, aumentar os lucros.

Através do fluxo de caixa, você pode controlar suas contas a pagar e receber, sabendo quanto terá de recursos financeiros disponíveis.

Algumas vezes confundido com o controle de caixa, que apresenta o saldo atual no caixa, o fluxo de caixa demonstra também os gastos futuros.

O que permite um fôlego para organizar as questões financeiras e encontrar soluções antecipadas aos problemas que estão por vir.

  • Demonstração das mutações do patrimônio líquido

A DMPL evidencia as alterações referentes ao patrimônio líquido, sua principal função é monitorar os recursos financeiros, e a evolução do patrimônio.

Não é uma declaração obrigada por Lei, mas para empresas de capital aberto é exigida pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Sua principal função é demonstrar as reservas que a companhia possui e suas variações.

De forma simples, ela detalha o capital, reserva de capital, reservas de lucro, reservas de reavaliação, as ações da tesouraria e os lucros e prejuízos acumulados.

Pode ser utilizada pela gestão como um indicador de desempenho.

  • Demonstração do valor adicionado (DVA)

Seu principal objetivo é mensurar o valor da riqueza gerada pela companhia em um período de tempo.

Ela detalha como a riqueza está distribuída entre funcionários, fornecedores, acionista, governo e outros.

Obrigatória apenas para empresas com capital aberto, a DVA costuma ser elaborada de forma anual.

Para fins gerenciais ela pode ser utilizada como forma de medir a eficiência da empresa em transformar recursos em riquezas.

Para sua elaboração são utilizados dados extraídos da Demonstração do Resultado do Exercício (DRE), como as receitas, insumos adquiridos de terceiros, depreciações, gastos com pessoal entre outros.

As demonstrações contábeis e financeiras vão muito além de serem apenas cumprimento de obrigações legais estabelecidas pelos órgãos reguladores da contabilidade. Cada uma delas pode ser explorada internamente e trazer inúmeros benefícios para a sua empresa, independente do seu porte financeiro.

Elas têm o poder de auxiliar na melhor aplicação dos seus recursos, sejam eles financeiros ou não.

Além das demonstrações citadas acima, cada empresa pode desenvolver relatórios internos que supram alguma necessidade mais específica do seu negócio, permitindo assim mais precisão para determinadas decisões.

Agora que você compreendeu quais as informações geradas pela contabilidade, vamos falar sobre dados importantes extraídos a partir delas, como os indicadores financeiros.

Indicadores financeiros

Nenhuma decisão deve ser tomada ao acaso, tão importante quanto ter a informação é saber interpreta-la para que ele se torne útil e garanta o sucesso dos negócios.

Com as informações extraídas a partir das demonstrações contábeis citadas acima, obtemos os indicadores financeiros que têm a função de quantificar e qualificar o dinheiro que circula pela empresa.

Através deles podemos avaliar a estrutura do capital, as atividades, a liquidez e até a rentabilidade do negócio. Dentre os mais utilizados, citamos os seguintes:

  • Retorno sobre investimentos (ROI)

Seu principal objetivo é demonstrar quanto dinheiro você está ganhando ou perdendo com os investimentos realizados, medindo o retorno de qualquer investimento.

Pode ser medido com a seguinte fórmula: ROI = (Ganho Obtido – Investimento Inicial) / Investimento Inicial.

Quando há um resultado positivo significa que o retorno superou os custos, quando houver resultados negativos os custos estão superando o retorno. Aqui o maior desafio é encontrar quais são os custos e quais os ganhos que devem entrar no cálculo.

  • Margem Bruta

E a mais conhecida no mercado, mostra quanto você ganha com as vendas, considerando apenas os gastos de produção e comerciais.

Uma margem bruta crescente pode indicar que o preço de venda está aumentando mais do que os custos, e isso ocorre, por exemplo, em empresas com poder de precificação, isto é, aumentar o preço de venda sem perder clientes.

Pode ser medida com dados extraídos da DRE e tem a seguinte fórmula: Margem Bruta = Lucro bruto / Receita total * 100.

  • Margem Líquida

Evidencia quanto você ganhou com cada venda considerando todos gastos.

Quanto maior for a sua margem líquida, mais dinheiro terá para realizar investimentos. Sua fórmula é a seguinte: Margem Líquida = (Lucro Líquido /Vendas) x 100.

  • Índice de Liquidez

Tem como ponto principal demonstrar a rapidez ou facilidade de um ativo ser transformado em dinheiro.

Traduz a capacidade que uma empresa possui em cumprir suas obrigações no curto prazo, ou seja, sua capacidade de pagamento.

Os Índices de liquidez mais comuns são os seguintes:

Liquidez Corrente = Ativo Circulante/Passivo Circulante

Liquidez Seca = (Ativo Circulante – Estoques) / Passivo Circulante

Liquidez Imediata = Recursos Disponíveis Imediato / Passivo Circulante

Liquidez Geral = (Ativo Circulante + Realizável a Longo Prazo) / (Passivo Circulante + Passivo Não Circulante).

  • Ponto de Equilíbrio

Demonstra quanto você deve vender para equilibrar suas contas, ou seja, em que momento seus gastos e despesas se igualam.

É uma importante ferramenta para determinar o volume mínimo de faturamento para não gerar prejuízos.

Normalmente é calculado em forma de percentual sobre a receita projetada, mostra que quanto mais baixo for o ponto de equilíbrio mais possui
rentabilidade. Pode ser medido da seguinte maneira:

Ponto de Equilíbrio = Despesas fixas / Margem de Contribuição.

Esses e outros indicadores medem o desempenho de períodos anteriores e permitem que sirvam de base para decisões futuras.

Vale a pena coloca-los em prática e avaliar quais serão mais uteis em seu negócio.

Quais os benefícios de incluir na rotina da gestão a análise das Demonstrações Contábeis e Indicadores Financeiros?

Um dos principais objetivos dos gestores é fazer a empresa aumentar o faturamento e consequentemente os lucros.

Porém, diversos fatores contribuem com o resultado final de uma análise efetiva das informações geradas pela contabilidade. Abaixo citamos alguns:

  • Prevenção contra falta de recursos financeiros;
  • Tempo para organizar e encontrar soluções;
  • Negociações inteligentes, como por exemplo oferecer um prazo maior ao cliente ou realizar promoções;
  • Analisar recursos disponíveis;
  • Visão detalhada do seu negócio;
  • Planejar os próximos passos;
  • Determinar o valor da empresa;
  • Gestão de oportunidades.

A Gestão é imprescindível para as entidades de um modo geral, e por vezes não dispõem das informações necessárias para tornar as decisões mais eficientes e rentáveis.

Essas informações podem ser encontradas nas demonstrações da própria empresa. Deste modo, elaborar as demonstrações de forma coerente e assertiva é fundamental para conhecer a realidade da organização.

Além disso, saber interpretar as demonstrações é fundamental, pois os números nelas representados permite que sejam detectadas falhas a tempo de ajusta-las.

Por isso, salientamos a importância de contar com um profissional contábil, ele pode lhe ajudar a tomar as decisões necessárias.

A Dome conta com um time de especialistas, prontos para garantir as melhores soluções e alavancar o seu negócio. Conte conosco!

Compartilhe